Botswana Mozambique South Africa Zimbabwe Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A População e o Rio

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Distribuição de Actividades Económicas: Moçambique  

Depois da independência do jugo colonial em 1995, Moçambique entrou em 15 anos de guerra civil (1977-1992). O cordo de Paz de Roma foi assinado em 1992. Subsequentemente, o país começou a reconstruir-se, avançando para frente. As Inundações de 2000 e 2001, relacionadas com uma série de ciclones tropicais rigorosos, afectou um quarto dapopulação, causando danos de infra-estrutura em larga escala. Depois das inundações seguiu-se um período deestiagem em 2002, que afectou o centro e o sul do país, agravando ainda mais a situação (BBC 2010).

Há duas províncias em Moçambique situadas na bacia hidrográfica do rio Limpopo: Gaza e Inhambane. A província de Gaza tem dez distritos: Chicualacuala, Chigubo, Chokwé, Guija, Mabalane, Mabote, Mandlakazi, Massagena, Bilene e Chibuto. Há quatro distritos em Inhambane: Funhalouro, Massinga, Panda, e Xai Xai. A densidade populacional em toda a bacia é baixa, com excepção das áreas mais densamente povoadas em torno de Chokwé, Massinga, Xai-Xai e Bilene (LBPTC 2010).

Agricultura - O Sector Dominante

O PIB de Moçambique era de 4,3 bilhões de dólares em 2003, sendo o valor proviniente da agricultura em 2002 de 23,5 % do PIB (Aquastat 2005). A agricultura é o sector dominante em Mozambique, ocupando 80 % da população activa, 60 % dois quais são do sexo feminino. Pequenas propriedades agrícolas, ou explorações agrícolas privadas, ocupam 95% da área em produção. As pequenas e médias empresas comerciais são uma importante fonte de emprego, abastecendo os mercados internos, as indústrias agro-alimentares e os mercados internacionais. Os produtos agrícolas de exportação são algodão, castanha de caju, cana-de-açúcar, tabaco e chá.

A agricultura de subsistência é praticada por quase todas as famílias que vivem na bacia em Moçambique. A dimensão média das explorações agrícolas é de 1,1 a 1,4 ha (LBPTC 2010). O sistema agrícola dominante baseia-se na agricultura de produtos alimentares, mediante sistemas agrícolas de pequena e grande escala. Em Chokwé existem alguns sistemas de irrigação de grande escala.

A margem inferior do rio Limpopo situa-se predominantemente em Moçambique.
Fonte: Hatfield 2010
( clique para ampliar )

A província de Gaza - A zona costeira e as zonas áridas

A província de Gaza pode ser dividida em duas zonas, que são principalmente definidas pelo clima: A zona costeira produtiva e a zona árida (Instituto para o Solo, Clima e Água; ARC-Institute for Agricultural Engineering 2003). A zona costeira produtiva (Bilene-Macia, Xai-Xai, Majacaze, Chokwé, Guija e Chibuto) tem solos relativamente férteis e um clima favorável à produção agrícola (LBPTC 2010). As famílias que residem nestas áreas têm potencial para produzir entre 50 e 60 % das suas necessidades básicas. Fontes alternativas de renda, como a cultura de rendimento proveniente de campos agrícolas próximos, bem como as remessas provenientes da África do Sul, cobrem as necessidades restantes. A zona árida (Massagena, Chicualacuala, Chigubo, Mabalane e Massingir) é caracterizada por solos pobres e pluviosidade fraca e irregular. A maior parte da produção agrícola ocorre somente ao longo dos rios. As pessoas que vivem nessas áreas podem, geralmente, satisfazer menos de metade das suas necessidades anuais de consumo através da agricultura de subsistência. Como a localização dessas áreas é distante dos mercados, as fontes alternativas de renda são mínimas e as pessoas vivem geralmente em uma situação de insegurança alimentar (ARC-ISCW and ARC-IAE 2003; LBPTC 2010).

Actividades Não-Agrícolas

A principal fonte de rendimento da maior parte das famílias provém de actividades não-agrícolas, tais como a venda de lenha, madeira, cana e carvão (LBPTC 2010). Nos distritos de Chokwé e Xai-Xai, o gado é abundante e o número deanimais está a aumentar em toda a região da bacia.

Os distritos de Guijá, Massinga e Funhalouro têm recursos de gás natural, embora a exploração deste recurso não tenha ainda começado (LBPTC 2010). O maior projecto de mineração previsto na bacia é a mina de metais pesados em Chibuto (Areias Pesadas de Chibuto). Em geral, há muito pouca indústria média ou indústria de grande escala na bacia.

As zonas costeiras da bacia têm grande potencial ecoturístico, mas este aspecto ainda não foi implementado. As regiões do interior são ricas em parques nacionais e reservas naturais com grande potencialecoturístico (LBPTC 2010), incluindo O Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo.

Vendedores de fruta e de nozes à beira da estrada em Moçambique, vendendo produtos agrícolas.
Fonte: Hatfield 2009
( clique para ampliar )

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Limpopo


Cenas de vídeo filmadas ao longo do rio Limpopo relacionadas com o tema A População e o Rio


Veja o cronograma histórico dos países da bacia do rio Limpopo, incluindo os acordos de água e construções de barragens