Botswana Mozambique South Africa Zimbabwe Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A População e o Rio

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Agricultura de Sequeiro  

Globalmente, 60 a 70 % da produção alimentar provém da agricultura de sequeiro, e na África subsaariana mais de 95 % da produção alimentar vem da agricultura de sequeiro (Falkenmark and Rockström 2005). Os pequenos proprietários na bacia do rio Limpopo têm pouco acesso aos sistemas de irrigação. Assim, a precipitação de chuva é a fonte principal de água (Nyalungu 2005).

Os rendimentos agrícolas tradicionais são fortemente influenciados pelas condições ambientais na bacia. Os rendimentos médios tendem a ser baixos, reflectindo o sistema low-input/output. No entanto, a contribuição da agricultura de sequeiro para a segurança alimentar não deve ser subestimada e, nos anos de boas precipitações de chuva, a agricultura de subsistência pode contribuir substancialmente para as necessidades alimentares domésticas (FAO 2004).

Culturas e Rendimentos

No Botsuana, as culturas principais de subsistência sãosorgo, milho, milheto, feijão, hortaliças e oleaginosas. Embora os rendimentos sejam baixos, estas culturas são uma fonte alimentar e uma fonte de renda importante para muitas famílias na bacia (FAO 2004).

A maioria dos distritos em Moçambique tem um acesso muito limitado aos serviços agrícolas (irrigação, adubos, tractores, etc.) e por isso dependem da agricultura de sequeiro e de várzea. É uma prática comum entre as famílias cultivar uma parcela nas planícies férteis ao longo dos rios (baixas) onde plantam milho, feijãonhemba , amendoim e mandioca, e outra parcela nos planaltos (serras) onde plantam sorgo, milheto, legumes e outras colheitasresistentes à estiagem. Os rendimentos médios variam entre 0,40 toneladas/ha para o amendoim e 0,8 toneladas/ha para o milho.

Colheita das culturas de sequeiro na região do Chokwé em Moçambique.
Fonte: Qwist-Hoffmann 2010
( clique para ampliar )

Na África do Sul, o milho é a colheita de subsistência mais importante, embora não seja ideal para o ambientepropenso à estiagem na bacia. A razão desta cultura ser um tanto arriscada reside no facto de a farinha de milho branca ser um elemento importante na dieta de muitos sul-africanos (FAO 2004).

No Zimbabué, a maior parte da bacia do rio Limpopo coincide com a Região Natural V, a região mais seca do país. Milho, sorgo, algodão, amendoim e girassol são as culturas mais plantadas na bacia média do Zimbabué. Como acontece na maior parte da bacia, os rendimentos das culturas de subsistência são muito baixos, e variam entre 0.40 toneladas/ha para o amendoim e abaixo de 1 tonelada/ha para o milho. 

Potencial de Água Verde

Água verde é a humidade do solo usada na produção de culturas de sequeiro, enquanto que Água azul é a água superficial e subterrânea extraída dos rios, lagos e aquíferos para irrigação. Muitos dos grandes sistemas fluviais da região estão em vias de encerramento ou já estão fechados, o que significa que toda a água azul nesses sistemas já foi praticamente distribuída (Falkenmark e Rockström 2005).

Na maioria dos países da África Austral, a água verde fornece mais de 80 % da água anual utilizada no sector alimentar. A maior parte desta água é utilizada na produção de culturas de sequeiro. Nas zonas hiper-áridas, a água azul desempenha mais de um papel, suplementando a pouca disponibilidade da precipitação da chuva. A agricultura irrigada conta com dois terços da água azul retirada na África Austral. As necessidades futuras dependerão cada vez mais do uso mais eficiente da água verde, e da melhoria da agricultura de sequeiro.

Existem ineficiências na utilização de água verde, que, mediante uma melhor gestão, poderia ajudar a atender às necessidades futuras de água nas bacias hidrográficas de rios sub-saarianos (Falkenmark e Rockström 2005). “Importante: a grande maioria dos agricultores no hemisfério sul da África pratica uma agricultura de sequeiro, muitas vezes sub-óptima. Melhorar a agricultura de sequeiro através da mitigação dos efeitos negativos da irrigação e do uso de técnicas adaptadas, representa um enorme potencial para melhorar a produção alimentar futura na região (Scholes e Biggs 2004).”

Este facto é especialmente relevante para a bacia do rio Limpopo, onde a água azul captada para a irrigação excede muitas vezes a água azul disponível, em algumas zonas até 30 %(Nyalungu 2005).

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Limpopo


Cenas de vídeo filmadas ao longo do rio Limpopo relacionadas com o tema A População e o Rio


Veja o cronograma histórico dos países da bacia do rio Limpopo, incluindo os acordos de água e construções de barragens